Engel & Völkers Parceiro licenciado Madrid > Blog > Tendência de mercado: Smart City

Tendência de mercado: Smart City

Smart City - um termo quase elegante. Contudo tem certamente potencial para polarizar. Porquê? Tentaremos investigar esta questão abaixo.

Na viragem do milénio, o termo inglês “smart” começou a estabelecer-se na linguagem usada nos negócios, na política e no planeamento urbano. Com as suas traduções como “inteligente, apto, habilitado, patente”, esta palavra fica invariavelmente documentada de forma positiva e atrai a atenção. Inicialmente, o termo tratava de reações aos desafios sociais da época. Isso incluía lidar com a crise financeira, mudanças demográficas, ecologia, proteção ambiental e utilização de recursos.

 Madrid
- Smart City: conceitos visionários de habitação e de vida no espaço urbano. Leia sobre o seu surgimento e implementação na nossa última publicação no blog.

Smart Home em tamanho pequeno

Hoje, a expressão “Smart City” é imediatamente associada ao termo “Smart Home” ou Casa inteligente, que para muitos de nós já faz parte do quotidiano. Descreve a instalação de sistemas técnicos em rede nas nossas casas, que podem ser controlados direta ou remotamente e servem para aumentar a qualidade de vida. O pré-requisito para o funcionamento de tais recursos práticos é o desenvolvimento progressivo e a digitalização em vários níveis. Porque é isso que torna estas ligações possíveis. Temos a opção de adaptar todos os sistemas às necessidades e hábitos pessoais com base na avaliação dos nossos dados de utilização.

Smart City em tamanho grande

A tendência de “Smart City” visa tudo em grande escala. É um termo abrangente para um conceito abrangente que visa tornar a vida em áreas urbanas mais atraente para as pessoas e tornar a vida como um todo mais sustentável. A implementação ocorre, por um lado, através do desenvolvimento contínuo de áreas existentes e, por outro lado, através do planeamento e design inteligente de novas áreas residenciais.

Um exemplo é a cidade de Berlim, que iniciou um projeto piloto num dos seus subúrbios. O bairro consiste em edifícios pré-fabricados e prédios altos com espaços verdes abertos e espaços de estacionamento generosos para os veículos dos residentes. Durante o dia, quando não serviam de estacionamento, essas áreas ganhavam vida com o lazer e a oferta comunitária, de forma a tornar todo o ambiente mais habitável para os moradores.

Na Alemanha, a cidade de Munique é um exemplo no processo de mudança para uma administração inteligente. Um conceito abrangente de Smart City inclui também este aspeto. Gradualmente, cada vez mais áreas da vida privada e pública estão a ser interligadas entre si. Os formatos de participação digital na capital da Baviera oferecem aos cidadãos e funcionários municipais a oportunidade de moldar ativamente as mudanças. Isso desperta o interesse e promove a aceitação para a implementação.

Benefícios para a comunidade versus privacidade

A polaridade mencionada no início decorre do facto de o ser humano estar no centro das recolhas de dados. Que processos e hábitos moldam a sua vida? A que horas do dia é que ele precisa de que tipo de recursos? Todos podem beneficiar-se com a análise dos dados através de inteligência artificial, mas isso também requer uma disposição básica para disponibilizar tais dados. Compreensivelmente, ninguém quer revelar muito sobre a sua privacidade. E com o aumento da digitalização, a preocupação com a possível utilização indevida dos dados está a aumentar, não apenas na Alemanha, mas em todo o mundo.

Uma boa forma é através da abertura e transparência das empresas e intervenientes envolvidos no procedimento de utilização dos dados. Isso pode aumentar a confiança das pessoas na proteção dos seus dados. A Lei Federal Alemã de Proteção de Dados também estabeleceu requisitos claros para o tratamento de dados pessoais. Projetos de cidades inteligentes requerem grandes quantidades de dados para criar análises válidas. No entanto, não são as informações pessoais que interessam, mas sim dados de grupo anonimizados.

A interligação em rede é a visão

O setor de habitação tem uma parte fundamentalmente importante dos dados necessários. No entanto, uma vez que não apenas o número, mas também a qualidade dos dados desempenham um papel importante, a combinação de várias fontes é mais valiosa para o planeamento urbano virado para o futuro. Desta forma, pode-se otimizar não só as questões centrais de qualidade de vida, utilização de recursos e eficiência energética, mas também ofertas de mobilidade em rede, escolas, hospitais e todas as infraestruturas urbanas.

Por mais precisos que alguns desenvolvimentos possam ser, a análise de dados sempre inclui um risco especulativo. Porque o foco está nas pessoas em toda a sua mutabilidade. Mais recentemente, o ano da pandemia mostrou-nos como as coisas podem mudar rapidamente sem aviso prévio. Quando surgem novos hábitos e os valores mudam devido a profundos processos de conhecimento, fica claro o quão importante são as nossas competências pessoais para lidar com a mudança. E quão importante a adaptabilidade das soluções inteligentes é e permanece.

Contacte-nos já
Engel & Völkers
Parceiro licenciado Madrid

Siga-nos nas redes sociais